BIO

Reconhecida pelo carisma no palco e interpretação marcante, Andréa Huguenin Botelho ocupa um prestigioso lugar na música internacional. Dona de raro talento artístico e pedagógico, ela está à frente não apenas de performances e workshops de regência, mas, também, de um sem-número de iniciativas endereçadas à música brasileira. Sua performance também é vista fora dos palcos na força da sua pesquisa e trabalho na área do feminismo musicológico. Trabalha no intuito de promover o espaço de mulheres compositoras na ópera e na equidade de direitos das mulheres na regência.

Nascida no Rio de Janeiro e de nacionalidade teuto-brasileira, sua educação musical foi iniciada no Brasil, sob a orientação de mestres como Heitor Alimonda, Homero de Magalhães, Luiz Carlos Moura Castro e Luiz Senise. Inclui aperfeiçoamento de habilidades e repertório sob a orientação de músicos de destaque e professores respeitados em todo o mundo, entre tantos, nos Estados Unidos Michael Palmer, na Rússia Leonid Korchmar e na Alemanha Fanny Solter e Ulrike Meyer, onde atualmente reside. Em seu currículo, constam a participação como professora de regência e piano em festivais internacionais, várias turnês e apresentaçõeso em salas de concerto mundo afora.

A sua inovação na formação de projetos educacionais que promovam a interculturalidade entre o Brasil e a Alemanha é elemento marcante do seu trabalho na capital alemã. Bom exemplo foi a criação do primeiro coral infantil bilíngue Curumins in Berlin (2016), do ensemble vocal de mulheres Ayabás (2020) e o trabalho como diretora artística do Brasil Ensemble Berlin desde o ano de 2013. O programa Música Brasileira na escola de música de Charlottenburg-Wilmersdorf, com larga repercussão em toda a Alemanha, desde sua concepção em 2016, constitui um espaço para a divulgação da música brasileira, pela primeira vez, em uma escola pública de música do país. E suas atividades de networking impulsionam projetos artísticos e educacionais, que a tornaram referência em assuntos multiculturais na Alemanha.

No ano de 2019, Botelho, pela segunda vez, o projeto com o Brasil Ensemble Berlin foi selecionado como um dos melhores pela Associação Coral Berlinense. O concerto seria realizado na sala de concertos da Filarmônica de Berlim mas, por conta da pandemia, foi adiado.

Atualmente, Botelho dedica pesquisa acadêmica no doutoramento em ciências musicais na Universidade Nova em Lisboa – o tema da sua investigação se concentra no feminismo musicológico, mais precisamente na ópera e no trabalho das mulheres regentes. Botelho está no momento escrevendo um livro sobre o tema, que será publicado ainda este ano.